Quais são as moedas mais rentáveis do mundo?

0

Ao longo dos séculos,os povos encontraram maneiras para efetivar suas trocas e transações comerciais.

Hoje, se você adquire um produto ou um serviço, é provável que pague por ele com dinheiro, mas nem sempre foi assim. Por muito tempo, as relações comerciais aconteceram por meio de trocas entre mercadorias. 

Por exemplo, produtores rurais poderiam trocar o excedente de sua produção por sal, couro ou pimenta. Na antiga Mesopotâmia, a moeda de troca eram os grãos de cevada. Já no reino do Kongo, búzios e no Japão se usava o arroz.

À medida que o tempo foi passando, com a ampliação das relações entre países e a necessidade de padronização da moeda, ficou comum o uso do ouro, da prata e do bronze, a chamada moeda-metal. 

Só mais recentemente, na China do século 18, algo parecido com as cédulas que conhecemos hoje foram inventadas.

Independentemente do que esteja sendo usado como moeda, ela é uma garantia para quem compra e vende e está ligada a uma relação de confiança que se estabelece entre pessoas ou empresas, possibilitando uma segurança entre partes que não se conhecem para fazer comércio.

O que são moedas?

Moeda é tudo aquilo que é aceito para liquidar ou pagar por bens e serviços. Desta forma, qualquer coisa pode ser aceita como moeda para realizar um pagamento. Ela facilita a relação de compra e de venda em uma transação comercial. 

moedas real cédula
Fonte: Freepik

Atente-se que, apesar de parecerem iguais, moeda e dinheiro são diferentes. Como vimos anteriormente, a moeda possui características que garantem seu uso em transações. 

Já o dinheiro é a moeda formatada, ou seja, que tem um formato padronizado e com origem atestada. Pegue qualquer cédula e você encontrará as informações relevantes para que ela seja aceita e circule pelo país que a adota.

Qual a importância das moedas na economia?

Na economia, a moeda possui três funções básicas:

  1. Reserva de valor

Refere à capacidade de preservar o poder de compra de certos bens. Se alguém vender alguma mercadoria em troca de moeda, pode depois usá-la para comprar outros bens. 

Muitos outros ativos, para além das moedas, também possuem reserva de valor, como obras de arte, ações, títulos e imóveis. Eles são muito mais vantajosos neste quesito do que a moeda, que precisa estar sempre em circulação por causa da inflação.

  1. Unidade de cálculo

A moeda é um dos principais fatores para determinar padrão de valor e preço de produtos e serviços, ou seja, um referencial básico de quanto cobrar pela mercadoria.

  1. Meio de troca

Esta é a forma como as transações são efetivadas. Se você comprar algo, paga com moeda, no caso do Brasil, com notas ou moedas de real. Este meio de troca facilita as relações comerciais.

Entendendo isso, fica muito mais fácil perceber como operam as relações comerciais entre países, e como, mesmo com moedas diferentes, elas podem acontecer. 

Por exemplo, em trocas comerciais internacionais a moeda mais utilizada é o dólar. Isso se deve a sua confiabilidade e à estabilidade econômica dos Estados Unidos enquanto uma potência mundial. Estes dois fatores são cruciais para tornar uma moeda forte em relação à outra.

Você pode estar se perguntando: Como os Estados Unidos e sua moeda alcançaram essa posição?

Do final do século 17 até metade do século 20, a riqueza de um país era definida por seu estoque de ouro. O então padrão-ouro, como era conhecido, fornecia o lastro, ou seja, o valor que cada moeda teria para se sustentar frente às negociações.

Neste período, a moeda mais forte era a Libra Esterlina, da Inglaterra, então potência econômica mundial. Com o enfraquecimento destas políticas monetárias, os Estados Unidos começam a participar mais ativamente do comércio externo. 

Na década de 70, as moedas passaram a ser lastreadas de acordo com a produção de bens e serviços de cada país, tendo como referencial a cotação do dólar. 

Entre a Primeira e a Segunda Guerras Mundiais, os EUA foram os principais responsáveis pela recuperação econômica da Europa e do Japão, atuando na venda de bens, serviços e emprestando sua moeda.

Desta forma, o dólar se fortaleceu e passou a ser referência monetária no mundo. A partir daí, os Estados Unidos se torna o mais importante “ator” nas definições das políticas econômicas a nível mundial. 

Com seu plano de acordo econômico para organização econômica mundial – Conferências de Bretton Woods de 1944 – instituições como o Banco Mundial e o FMI (Fundo Monetário Internacional) são criados, garantindo sua hegemonia frente às relações internacionais entre diversos países.

Existem centenas de moedas diferentes circulando pelo mundo e isso significa que as cédulas de cada país representam uma pequena parcela da riqueza que ele possui. Inclui o total de dinheiro que é guardado nos bancos e tudo que empresas e pessoas comercializam.

Países diferentes podem adotar a mesma moeda. Antes de ser substituída pelo euro – moeda que faz parte das transações do bloco econômico formado por países europeus atualmente – o franco, por exemplo, era amplamente usado.

Hoje, apenas a Suíça e alguns países africanos ainda o utilizam, demonstrando também o caráter transitório e a flutuação de valor intrínseco a cada moeda. Depende dos benefícios e das vantagens que ela possui, além da confiança gerada, para que seja usada ou não em larga escala.  

Entenda, a seguir, porque algumas moedas são mais valorizadas que outras.

Por que algumas moedas valorizam e outras não?

O valor das moedas em todos os países dificilmente permanece o mesmo e alguns fatores são responsáveis por esta variação.

Um dos mais importantes é a lei da oferta e da procura. Se há mais dinheiro em circulação (muita oferta), isso faz diminuir a procura por ele e, então, desvaloriza. De forma inversa, quando existe pouca oferta, e muita procura, a tendência é a valorização da moeda. 

Por exemplo, se existe no Brasil uma busca grande por dólar, isso significa que o real desvaloriza e vice-versa. A lei da oferta e da procura afeta também o valor final dos produtos e serviços. 

Se existem muitos produtos e poucos compradores no mercado, o valor tende a ser menor, mas quando há pouco volume e muitos interessados existe a valorização, ficando mais caro.

A oferta e a procura já foram utilizadas em alguns países como uma estratégia para intensificar exportações e o investimento estrangeiro no país. Se um país exporta minério de ferro, por exemplo, e sua moeda está desvalorizada, isso atrai potenciais compradores.

Serão necessários menos dólares para adquirir este produto, que ficou mais barato, sendo que outros países que também vendem esses itens serão obrigados a reduzir o valor para concorrer no mercado.

Isso nos leva a outro fator determinante para a valorização ou desvalorização de uma moeda: a inflação e a deflação. A primeira acontece quando o preço de produtos e serviços de um país aumenta, causando desvalorização da moeda e consequente redução do poder de compra. 

Na deflação, observa-se a diminuição no preço de bens e de serviços, o que aumenta o poder de compra, valorizando a moeda.

A perspectiva econômica de um país também é decisiva. Ela abarca todo o estudo desenvolvido sobre os caminhos percorridos pela economia, levando em conta informações como os fatores de desenvolvimento lento ou acelerado e o PIB (produto interno bruto).

Por que o real não é uma das moedas mais rentáveis?

Países subdesenvolvidos ou emergentes costumam ter suas moedas pouco valorizadas – o Brasil está entre eles – em relação a moedas de nações ricas e desenvolvidas.

O real foi uma das moedas que mais desvalorizou em 2020. A economia, dependente do Brasil, faz com que ele não seja visto como um país interessante aos olhos estrangeiros para ser foco de investimentos.

A fraqueza do real em relação às outras moedas estrangeiras se deve também:

  • à redução dos juros básicos do Brasil, 
  • à alta inflação enfrentada no país, 
  • ao período de crise,
  • às incertezas que afetam de forma muito intensa as atividades econômicas.

Como e quem pode investir em moedas rentáveis?

Uma das ações mais comuns em tempos de crise ou de alta na inflação é as pessoas, familiarizadas com a dinâmica cambial, comprarem moedas estrangeiras para proteger o seu dinheiro.

Homem tocando moedas, gráfico alto
Fonte: Freepik

Aqui vemos outra característica da moeda: uma mercadoria comercializável, como um recurso para qualquer investidor.

A primeira coisa que você tem que entender é que as moedas – papel moeda, ações da bolsa e fundos cambiais, entre outras. – sofrem mudanças em seu valor constantemente. Então, os investimentos têm que ser feitos levando em consideração essas flutuações de valor – alta e baixa do dólar, por exemplo, – e as possibilidades de risco que o investimento traz ou não. 

Veja alguns pontos fundamentais para seguir antes de comprar qualquer moeda:

  • Pesquise o mercado – você precisa entender o funcionamento de cada moeda estrangeira. Leia, pesquise e converse com pessoas que já investem, garantindo que você tenha segurança para começar suas primeiras transações;
  • Escolha a melhor moeda para investir –  veja qual moeda mais se encaixa com você. Muitos especialistas afirmam que, para quem está começando, ter um perfil conservador é a melhor escolha. Não importa se você está comprando ações da bolsa de valores ou dinheiro japonês, tente ampliar seus horizontes e diversificar as possibilidades para ter certeza do que está fazendo;
  • Saiba sobre os riscos e impactos – tenha cuidado e cautela na hora de investir. Leia depoimentos de outras pessoas sobre os prós e os contras de cada moeda, tenha consciência que o mercado está em constante mudança;
  • Acompanhe – é preciso ficar de olho na cotação das moedas. Se você comprar dólar hoje, e ele estiver mais caro que o real, é certo que na hora de vender não terá prejuízos, obtendo lucro.

Conheça, a seguir, as moedas mais rentáveis do mundo.

Top moedas mais rentáveis do mundo

Você já sabe um pouco da história e o que faz uma moeda estar em alta. Confira, abaixo, quais moedas são as mais valorizadas do mundo:

1. Dinar Kuwaitiano

Em primeiro lugar, temos o dinar do Kuwait (Ásia) que, apesar de ser um país pequeno, possui a moeda mais cara. Isso ocorre porque a sua economia é baseada na exportação de petróleo, mercadoria altamente valorizada. 

Mais de 80% da receita deste país vem de suas indústrias petrolíferas, o que o torna sua economia estável e sem impostos, com um PIB alto e baixas taxas de desemprego.  

2. Dinar do Bahrein 

País asiático com mais de 1 milhão de habitantes, destaca-se quando o assunto é a rentabilidade de sua moeda, que se fortalece devido à comercialização do petróleo.

3. Rial Omã

O rial é a moeda oficial de Omã (Ásia), que possui uma posição estratégica por fazer fronteira com os Emirados Árabes. Sua economia é altamente desenvolvida, baseada no turismo e no comércio de peixes, possuindo uma ótima qualidade de vida.

4. Dinar Jordaniano

É a unidade monetária da Jordânia (Ásia), um país turístico, às margens do rio Jordão, conhecido pelos seus monumentos antigos. Muito atrativo para investimentos devido à mão de obra qualificada e a economia estável. Sua moeda está em quarto lugar em valorização.

5. Libra Esterlina

A libra esterlina é a moeda oficial do Reino Unido. Uma das poucas moedas que ainda possui sua cotação baseada no ouro, sendo muito valorizada.

6. Dólar das Ilhas Cayman

As Ilhas Cayman são um paraíso fiscal localizado no mar do Caribe – locais que oferecem taxas mínimas de impostos e pouca burocracia, principalmente para estrangeiros, além de manter sigilo sobre as transações que acontecem no país.

7. Euro

Desde sua criação, em 1999, para figurar como a moeda do bloco europeu, o euro vem se fortalecendo. É uma moeda poderosa, que acompanha o desenvolvimento econômico dos países do continente

8. Franco suiço

A Suíça é um dos países mais ricos e tecnológicos do mundo, seus bancos são conhecidos por manterem descrição das transações. Vale dizer que as Ilhas Cayman pertencem à Suíça, então você pode imaginar o porquê de sua moeda ser tão valorizada.

9. Dólar americano

Já falamos aqui do dólar e sua liderança econômica mundial. Como vimos, a cotação das moedas no mundo são sempre medidas usando como referencial o dólar americano.

As moedas de um país são um ponto importante para conhecer sua economia, a posição que ele se encontra em relação a outros, o seu nível de estabilidade, qualidade de vida de seus habitantes e sua importância frente ao mercado mundial. 

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.